A região

Palmela / Azeitão / Sesimbra
Os monumentos

3ª Sonata - Minuetto Con Varazione

by Avondano Ensemble

Os monumentos

Palmela

Castelo

Implantado estrategicamente nas encostas montanhosas da Arrábida o castelo foi erguido sobre a muralha e alcáçova islâmica que o precederam entre os séculos VIII-XII.

Conquistado aos mouros por D. Afonso Henriques em 1147, conheceu vários períodos de ocupação militar.

Quando a sede da Ordem de Santiago aqui se fixou houve necessidade de construir outras estruturas: o convento e a igreja de São Tiago, entre outras.

Na antiga Residência do Governador que dizem ter sido também dos Priores-Mores, nasceu a 4 de Fevereiro de 1841, Hermenegildo, filho do major Félix António Gomes Capelo, governador do castelo.

Hermenegildo Capelo assentou praça na Marinha tendo chegado à patente de Vice- Almirante.

Ficou muito conhecido pelas expedições que realizou a Angola e a Moçambique e à região desconhecida que se situava entre as duas colónias.

Ele e Roberto Ivens em 1877 estudaram as ligações entre os rios Zaire e Zambeze. Regressaram a Lisboa em Março de 1880.

Em 1884 e 1885 nova expedição levou-os da costa angolana, sempre pelo interior, até Quelimane em Moçambique.

Tornaram ao reino tendo sido recebidos por D. Luís.

Destas duas expedições foram escritos dois livros: “De Benguela às Terras de Iaca” e ” De Angola à Contra- Costa”.

A seguir a 5 de Outubro de 1910, Hermenegildo Capelo pediu a demissão de todos os cargos e faleceu em Lisboa aos 76 anos.

O espaço do antigo convento é actualmente a luxuosa Pousada Histórica de Palmela.

O castelo é Monumento Nacional desde 1910.

Igreja de Santa Maria

No perímetro das muralhas ainda se podem observar as ruínas da Igreja de Santa Maria.

Fundada em finais do século XII ou início do século XIII foi a primeira Matriz da vila.

Com o desenvolvimento da povoação extramuros e a crescente importância da Paróquia de S. Pedro foi perdendo importância.

Arruinada em 1755, continuou a degradar-se até aos nossos dias.

A antiga sacristia foi recuperada pelo arquitecto Sérgio Infante e em 2001 passou a albergar a sala de reuniões e a biblioteca do GEsOS (Gabinete de Estudos sobre a Ordem de Santiago).

Igreja de São Tiago

Dentro das muralhas do castelo encontramos uma das mais importantes obras do estilo Gótico dito despojado, a antiga igreja conventual dedicada a São Tiago.

A sua fundação remonta a meados do século XV.

Durante o mestrado de D. Jorge (último mestre da Ordem) sofreu várias campanhas de obras, nomeadamente de ampliação e alguns melhoramentos.

Após o terramoto de 1755 entrou em declínio que se estendeu até 1834 com a extinção das Ordens Religiosas.

Nos anos 40 do século XX foi alvo de novas intervenções.

Actualmente o espaço tem sido utilizado para diversas actividades culturais.

Igreja de S. Pedro

Fundada no século XIV, é um dos mais notáveis edifícios de arquitectura religiosa do concelho.

O que resta actualmente resulta da reconstrução de meados do século XVI e das decorações realizadas depois do incêndio de 1713.

Durante os restantes anos dos séculos XVIII, XIX e XX sofreu várias campanhas de obras. A intervenção do século XVIII foi na sequência do terramoto de 1755 e a do século XIX está relacionada com outro sismo que ocorreu em 1858.

Igreja da Misericórdia

Esta igreja deve ter tido origem na ermida da antiga albergaria medieval do Espírito Santo ligada a uma Irmandade da paróquia de S. Pedro.

A igreja foi concluída em parte cerca de 1530 uma vez que só foi terminada em 1566.

Sofreu várias intervenções nos séculos XVII, XVIII e XIX.

Cine – Teatro São João

Imagem emblemática do espaço urbano da vila com grande destaque para a torre, o edifício foi encomendado pelo benemérito palmelense Humberto da Silva Cardoso.

De autoria do arquitecto alemão Willy Braun e do engenheiro Pedro Cavallieri Rodrigues Martinho foi construído entre 1948 – 1950 tendo sido inaugurado em 1952.

Em 1981 encerrou ao público. Após a Câmara ter adquirido o edifício em 1989 foi reactivado e reabriu em 1991.

Grutas Artificiais de Quinta do Anjo

O conjunto foi descoberto em finais do século XIX.

Monumento funerário pré-histórico, utilizado entre o final do Neolítico e o início do Bronze.

Foi encontrado importante espólio funerário das referidas épocas.

Classificado como Monumento Nacional desde 1934.

Azeitão

Igreja de S. Lourenço (Vila Nogueira de Azeitão)

Igreja paroquial dedicada a S. Lourenço.

De fundação medieval gótica, sofreu diversas campanhas de obras, nomeadamente nos séculos XVII e XVIII.

Igreja de S. Simão (Vila Fresca de Azeitão)

Igreja paroquial é dedicada ao apóstolo S. Simão.

De fundação anterior ao século XVI, apresenta um portal de gosto renascentista e azulejos do século XVII.

Com o terramoto de 1755 o edifício sofreu alguns danos nomeadamente nas quatro torres originais: duas caíram e as outras duas ficaram arruinadas.

Quinta da Bacalhoa (Vila Fresca de Azeitão)

Fundado no século XV, o conjunto formado por palácio e quinta pertenceu ao infante D. João mestre da Ordem de Santiago, filho de D. João I.

Esta propriedade foi herdada pela filha D. Beatriz, mãe de D. Manuel I.

Também conhecida pelo Palácio dos Albuquerques por ter sido vendida em 1528 a Brás de Albuquerque, filho mais velho de Afonso de Albuquerque, foi a mais famosa quinta de recreio do século XVI.

Datam desta época o gosto renascentista patente na concepção do conjunto palácio-jardim bem como nos célebres azulejos e na casa do fresco.

Na década de 30 do século XX, o conjunto foi adquirido e restaurado por Orlena Scoville de nacionalidade americana.

Em 1997, Thomas Scoville neto de Orlena pôs a propriedade à venda.

No ano 2000 o conjunto foi comprado por Joe Berardo. Este mandou fazer várias obras polémicas, principalmente no jardim.

É monumento nacional desde 1996.

Sesimbra

Castelo

Em 1191 durante a investida de Al Mansur o castelo de Sesimbra ficou arrasado.

A reconquista definitiva de Sesimbra deve ter ocorrido antes de 1194. D. Sancho I entregou a povoação a colonos francos em 1199 e deu carta de foral em 1201.

A construção do castelo arrastou-se ao longo do século XIII e foi concluída no reinado de D. Dinis.

Depois de perder a sua importância estratégica e militar serviu de posto de vigilância da costa.

O castelo ficou despovoado e manteve a igreja paroquial de Nossa Senhora da Consolação.

Fortaleza de Santiago

Construída na praia, esta fortaleza fazia parte do sistema de defesa costeira da área de Sesimbra.

Uma das plantas mais antigas da fortaleza data de 1693.

A fortaleza foi espaço de veraneio de membros da corte.

Ao longo dos anos o edifício sofreu alterações que modificaram o seu aspecto inicial.

Durante vários anos dos séculos XX e XXI a antiga fortaleza serviu de quartel da Guarda Nacional Republicana.

Em 2006 iniciou-se o processo de municipalização do espaço que foi concluído em 2014.

Sesimbra ganhou um lugar público mantendo viva a sua história e o seu património.

Imóvel de interesse público.

Capela do Espírito Santo dos Mareantes

Fundada em finais do século XV pela Confraria do Espírito Santo dos Mareantes de Sesimbra tinha objectivos assistenciais e de culto.

A capela localizava-se no piso superior e o hospital medieval no piso inferior.

A capela sofreu grandes estragos com o terramoto de 1755 ao contrário do hospital que ficou entulhado e esquecido mas preservado durante cerca de 200 anos.

Após várias intervenções no espaço do monumento foi possível adaptá-lo a núcleo do Museu Municipal de Sesimbra.

Colecção de Arte Sacra, nomeadamente a pintura de Gregório Lopes “Nossa Senhora da Misericórdia”.

Exposição dos achados arqueológicos no antigo hospital bem como os grafitos murais de embarcações.

Imóvel de interesse público.

Igreja de São Tiago

Dedicada ao apóstolo São Tiago.

A nova igreja paroquial foi fundada em 1534 e concluiu-se em 1536.

Foi instituída como priorado da Ordem de Santiago.

O edifício teve várias campanhas de obras nos séculos XVII e XVIII. Sofreu vários estragos com o terramoto de 1755.

Santuário de Nossa Senhora do Cabo Espichel

O início do culto a Santa Maria da Pedra da Mua / Nossa Senhora do Cabo terá tido origem no século XIV.

Em 1432 organizou-se a Confraria de Nossa Senhora do Cabo devido à elevada afluência de peregrinos ao local da primitiva ermida da mesma invocação.

A igreja actual começou a construir-se em 1701 e as hospedarias em 1715.

Nesta altura começou a delinear-se o recinto do santuário com a organização do espaço próprio para acolher os peregrinos.

Assim construíram-se: hospedarias, cozinhas, padaria, cocheiras, casa da Água, aqueduto, Mãe d’Água / Poço velho da Azóia, poços, casa da lenha, casa da Ópera / Teatro, três Cruzeiros de Peregrinação e Cruzeiro de Chegada.

Todas as construções enquadram um extenso terreiro / arraial.

Actualmente ainda se realizam as festividades dos círios de Azóia, Palmela e Sesimbra.

Imóvel de Interesse Público.

Pistas de dinossáurio

Pedreira do Avelino, Lagosteiros e Pedra da Mua.

Morada:
Rua Álvaro Castelões, 49 - 1º e 2º
2900-215 Setúbal
Telefone: 962 634 118
E-mail: ipeixoto@ohmyguest.pt

Google Translate

Política de Privacidade